domingo, 14 de julho de 2013

Diario de Nasan II

Saudações Amantes da Irmandade,

E chegou mais um Domingo...mais um dia de histórias *riso* Hoje é dia da MINHA história hahahaha. Aqui vai ela ^.^

Despertei com uma violenta dor na cara, ainda o meu cérebro não assimilava a causa da dor, quando outra dor irrompeu no meu rosto e um sabor salgado e metálico em invade a boca.
Abri os olhos de rompante e vi um dos meus captores levantar o punho na minha direcção. Desviei me rapidamente para o lado e cai de costas no chão, fazendo com que o ar dos meus pulmões saiam de um só golpe causado-me uma dor no peito.
- Estava a ver que não acordavas. - rosna o homem que me abordou no aeroporto.
A Raiva toma conta de mime numa reacção estúpida atiro-me ao Sr. Oxigenada mal cheiroso. Sou atirada contra a parede, a cabeça bate nesta e sinto algo liquido e quente a escorrer-me pela cara.
-O Que é que queres?!- grito no meio da dor, enquanto ele ri
-Armada em má? Ou és estúpida de nascença? Talvez as duas, não é mesmo? Dou-te um conselho grátis e não digas que não sou simpático,tem mais cuidado. Não nos serves para nada morta. 
-Oh que pena, então se calhar é melhor eu partir o pescoço, visto que não sirvo para nada assim! - gozo, o que sinceramente não sei como fui capaz.
-Cuidado humana, não abuses muito da sorte! - rosna ele
- Se isto é sorte - replico - Nem quero saber o que seria o meu azar - ironizo, mas perco o piu quando ele me agarra pelo pescoço
-Não testes a minha paciência. - rosna ele de uma maneira bem ameaçadora e atira me para cima d acama, ao qual eu estava deitada quando ele me acordou aos murros, como se eu não pesasse mais que uma embalagem de arroz.
- Quero que a convoques. - diz depois de um logo silêncio. Fico a olhar para ele e fico na duvida se ele fala comigo ou com alguém que eu não tenha visto ainda. Mas depressa sei que é para mim. Ele vira-se na minha direcção e aqueles olhos claros e sem vida, mostram um olhar louco e assassino. - Chama a rainha! 

-Chamo? Mas chamo como? - estou totalmente confusa e observo ele a caminhar na minha direcção e por instinto encolho-me toda na cama
-Tu sabes como! - grita, quase me furando os timpanos. - Vocês criaram uma ligação! Eu vi vocês juntas no natal. - comenta ele e eu fico ainda mais confusa. Não houve qualquer ligação, por amor a santa. E mesmo que tivesse havido, nunca a chamaria. Como se tivesse lido o meu ultimo pensamento diz.
-Se queres viver, vais chama-la e é já!
-Porquê?
-Porquê? Porque tendo Beth nas mãos o Rei virá e quando ele vier eu mato-o! - diz satisfeito da vida
-Não contes comigo, nunca irei chamá-la. - grito cheia de raiva
-Sabia que dirias isso, mas tenho uns meios persuasivos, verás. - sorri e a porta do quarto abre-se, entra um homem e ele empurra num carrinho metálico. Quando este se aproxima de mim, vejo o que está sobre o tampo da mesa, alicates, chicotes, alfinetes bem grossos. Dou um grito de horror só de imaginar o que irão fazer com aquilo.
O Senhor Oxigenada mal cheiroso sorri ao ver o meu horror e tira umas correntes de cima da mesa, quando caminha na minha direcção eu fujo, algo atinge as minhas costas, a dor é imensa e uma vez mais sou engolida pela escuridão.
Volto a despertar com algo gelado cair sobre a minha cabeça, agua gelada, é o que me despertou. Olho em volta e vejo que estou em pé, volto a olhar ao meu redor e para cima, as minhas mãos estão presas numas argolas com pequenos espigões, que parecem dentes de tubarão. Essa é a causa da dor nos meus pulsos, a pele a volta está em ferida e a sangrar.
- Chama a rainha. -diz uma voz ameaçadora atrás de mim
-Não, nunca - digo a custo, e algo duro atinge as minhas costas de novo, a dor é tal que grito em plenos pulmões, o que temo que estes saltem pela minha boca. Sinceramente não sei quanto tempo demorou a tortura, só sei que ao fim de cada sessão era solta e atirada ao chão como um saco de lixo.
A onde ficava, banhada no meu suor, sangue, lágrimas e algo mais que não vale a pena referenciar.
Ao fim de mais uma tortura, rezava a Virgem, Deus ou Deuses, quem quer que me ouvisse para me levar, pois já não aguentava mais.

3 comentários:

nasan, valeu a pena a espera (tao longa que pareces uma editora portuguesa!!!). Que inspiração...mas por favor...tem peninha de nós!!!Pobres mortais....Manda rápido o resto cá para nós...Pleeeaaase!!!!

Pobre Nasan! Espero que os irmãos te vão salvar e que a Payne já esteja com eles ;P

Oh Marigarida, já me fizeste dar uma bela gargalhada, com que então uma editora portuguesa han? LOLOLOL é o que dá viver com elas *riso*

bem meus amores, é só aos domingos como sabem, e publico por ordem de chegada, os textos que as fãs nos enviam, e no meio destes publico a minha história *riso* mas quem sabe a meio da semana meto mais um capitulo? Assim seria aos Domingos e..... outro dia qualquer hehehe vou pensar nisso

Naaa por acaso ainda nao tinha pensado em meter a Payne no meio, aliás. Como só agora está para sair o livro dela, ainda nao a "conheço" bem *riso* mas quem sabe, ainda agora começou

*nasan