sexta-feira, 19 de julho de 2013

Diário de Nasan III

Saudações Amantes da Irmandade,

Aqui vamos a mais um pouco desta história de loucos! Sim eu sei, hoje é sexta feira e tal, mas pronto, eu sou amiga, e segundo me consta está acabar... pois é. Para o próximo fim de semana termina as histórias, pois mais ninguém me mandou nada :´( gente má

Envia a tua historia para o nosso email:  irmandadeadaganegra@gmail.com

Não sei quantos dias passaram, ou se foi só horas. Mas para mim, a cada minuto de tortura era anos, em que ali estava. Um dos meus olhos não abria, tal era o hematoma que tinha, os meus lábios feridos deviam estar um horror, por estar a gritar, gritos esses que deixei de dar depois, pois cada vez que o fazia, mais feridas abria. Deitar me de costas, era impossível, as dores eram excruciantes. A minha roupa ja tinha visto melhores dias, agora não passavam de farrapos, a blusa mal tapava os meus seios, não precisava de ver, sentia o frio do chão na minha pele, pois o soutien já não existia também. 
Tudo o que eu fazia agora, era pequenas viagens, entre o estar acordada e o inconsciente, quando o meu corpo insistia em apagar e quando me permitido. A fraqueza, pela falta de alimento e agua, e eu sabia, que mais dia menos dia, o meu descanso chegaria. Mas hoje? Hoje seria mais um dia de tortura, pois enquanto eu não convocasse a Beth, não teria fim. Mas mesmo que eu quisesse salvar a minha pele, mesmo que eu por mais que desejasse  e quisesse me salvar, terminar com aquele pesadelo. Era impossível por duas razões, não podia convocar a Rainha como ele insistia  aliás? Eu nem fazia a mínima ideia de como, segundo? Mesmo que eu a chamasse, eu sabia que nunca sairia dali com vida. Logo, só poderia desejar que o descanso chegasse, e rápido. As vozes alteradas, arrancaram me da minha divagação, é agora, já chegou mais um momento de terror penso para mim mesma. Quanto mais perto estavam as vozes, mais me apercebia de que eram gritos, gritos de horror. Toda eu gelei, e desesperada comecei a gatinhar e direcção ao canto mais escuro e tentei me meter de baixo da minha cama que tinha sido ali posta. A porta abriu de rompante e eu rastejei ainda mais para baixo da cama, as unhas cravadas no cimento, e as unhas a partirem da pressão. Os ferros desta a cravarem se mais na minha pele, e a dor foi tal que as lágrimas caíram pelo meu rosto e eu gritei de dor. Mas eu tinha de me esconder, não podia suportar mais uma dia de tortura, mais um dia de dor. Mas todas as minhas tentativas de me meter de baixo da cama são interrompidas quando uma voz conhecida me chega aos ouvidos.
-Virgem Escriva... - estas simples palavras vieram juntas com dor e horror, virei a cabeça de vagar e espreitei por baixo da cama na direcção da porta. Três homens de preto estavam parados a olhar para mim, não consegui ver muito bem quem eram, mas aquela voz não me era estranha, eu conhecia, afinal aquela voz, era a voz do homem que me tinha ameaçado no Natal.
-Z? -sussurrei e assim que prenunciei o nome, ele correu até mim. Quando as mãos dele entraram em contacto com a minha pele eu gritei, todo o meu corpo parecia que ia partir, ardia com o movimento, as lágrimas correram pela minha cara, desta vez com mais força.Os outros aproximaram-se e entrei em pânico, sentido as feridas da minha boca abrirem e o sangue a escorrer, tentei puxar Z mas sem sucesso, tentativa vã de o proteger.
-Está tudo bem, ninguém vos vai magoar. - diz uma voz forte, calma mas o toque de raiva estava presente.
-É o Wrath e Vishous. - sussurrou Z.
-Oh não, não... - choro em pânico - Não devias estar aqui! Sai daqui, por favor sai daqui.. -suplico a Wrath desesperada. - Se eles voltam, matam-te! 
-Shh, calma Nasan, está tudo bem, já acabou. - diz Vishous
-Não estão a entender! - grito desesperada - Ele quer o Rei, quer mata-lo! - o olhar de Wrath é simplesmente terrível  cada traço do seu rosto mostra que a morte está por perto e que será dolorosa.
-Ele não te fará mal, nunca mais. - confessa Wrath enquanto acaricia a caminha cabeça.
-Temos de sair daqui. - Diz Zsadist
-É, Butch e Qhuinn devem estar quase a deitar isto abaixo. - Comenta Wrath
-Desculpa, isto vai doer. - nunca tinha visto tanta dor na voz de Z - Mas temos de te tirar daqui.
-Espera... - wrath volta aproximar-se de mim e toca-me na testa... sinto me a cair na escuridão e tudo o que me vem a cabeça é um inutil protesto de como estou imunda.

4 comentários:

Ainda bem que foste salva e espero que os minguantes tenham levado forte e feito. XD

LOL epa não sei, não vi, lol como tava fechada xD

Nasan linda, sofreste "pa caramba" mas acabar ao colo do Z rodeada pelo V e o Rei??!!??Epá...que grande resgate!!!!Quhinn á espera...Ok também quero...! E o resto quando sai?

*riso* É Margarida, tinha de ser compensada né heheheh estou a escrever :P