quinta-feira, 5 de setembro de 2013

A Força do Amor VI

Saudações Amantes da Irmandade,

e como está a correr a vossa semana? A minha está de loucos para variada...nada de grave *riso* tenham uma boa quinta feira e muitas leituras!

Annabelle estava em choque. Eles estavam com a irmandade e vivos. A sua vida, a sua razão de existir ainda respirava. Annabelle tremia como varas verdes agachada e encostada à parede, abraçou-se e chorou, chorou como nunca tinha chorado antes e rezou em agradecimento à Virgem por tê-los protegido e mantido vivos todo este tempo.
Quando se conseguiu acalmar arranjou-se o melhor que pôde e esperou que o doggen a viesse buscar. Às sete em ponto entrou num carro de vidros fumados. O doggen foi muito amável e a viagem foi calma mas longa.
Quando finalmente chegaram Annabelle deparou-se com uma mansão enorme que se fosse tão bonita por dentro como era por fora devia ser espetacular. Quando entraram Annabelle não queria acreditar, a mansão era linda claro, tinha uns frescos no teto espetaculares e a mobília era antiga mas extraordinariamente bela perfeitamente harmonizada com o estilo atual da casa. Contudo Annabelle não viu nada disso, a única coisa em que reparou foi num macho enorme com cabelo louro ondulado que lhe dava à altura dos ombros, um rosto perfeito e olhos castanhos cor de mel. O seu Blake.
Num instante estava na entrada do vestíbulo da mansão e no seguinte nos braços do seu hellran beijando-o com sofreguidão e abraçando-o com tanta força como se o quisesse esconder debaixo da sua pele.
Ao sentir sua cara enterrada no seu longo cabelo castanho, a sua pele, o seu cheiro, o seu toque ao ouvir o som da sua voz, ao sentir-se refém do seu abraço os seus olhos marejaram-se de lágrimas que rapidamente foram afastadas com as pontas macias de uns dedos logos.

 - Desculpa nalla, por favor perdoa-me nós ficamos feridos, eles ajudaram-nos mas tinham de ter a certeza de que lado estávamos, e até lá não podíamos falar com ninguém… 
O que ia dizer ficou a meio.
 - Ei então e nós não temos direito a nada?! – perguntaram os seus irmãos em coro. Ao vê-los Annabelle correu para eles e abraçou os três ao mesmo tempo.
 - Se me voltam a fazer isto juro que nunca mais vos perdoo.
 - Fica prometido, maninha. E ficaram os quatro abraçados por um tempo.
Depois de uma longa conversa com o rei e a irmandade que esclareceu tudo definitivamente. Annabelle e Blake foram conduzidos a um dos muitos quartos a mansão. Assim que a porta se fechou com uma ordem mental o aroma a especiarias escuras da vinculação de Blake encheu o ar. Blake amou- a longa e demoradamente com a paciência, o carinho, o desejo próprios de um amante. Como se quisesse sentir o sabor de cada centímetro do seu corpo. Começou com as mãos percorrendo a cariciando a sua pele como se fosse seda, muito lenta e cuidadosamente. Teve o cuidado de não lhe dar logo o que queria, percorrendo com a ponta dos dedos as zonas mais sensíveis, deixando-a sentir apenas um pouco o que tronava tudo mais excitante.
Annabelle fechou os olhos, as suas mãos tornaram-se garras sobre os lençóis, aquele jogo do toca e foge estava a matá-la, sentia-se a arder.
O nome de Blake ecoou pelas paredes do quarto e o seu hellran levantou os lábios dos seus peitos com os olhos brilhantes, luxuriosos fixos nos seus.
 - Estás a gostar nalla?

2 comentários:

Adorei! Ainda bem que eles já estão juntos! ^^

Oh pá, isto não se faz... MAIS POR FAVOR!!!